MARA PALACE HOTEL

Vale do Paraíba

O Vale do Paraíba é uma região sócio-econômica que abrange a Mesorregião do Vale do Paraíba Paulista no estado de São Paulo e Mesorregião Sul Fluminense no estado do Rio de Janeiro.

...

Marianna Crioula

Marianna Crioula era uma escrava, como indica o nome, nascida no Brasil, com cerca de 30 anos na época.

Era costureira e mucama (escrava de companhia) de Francisca Elisa Xavier, esposa do capitão-mor Manuel Francisco Xavier. Foi descrita como sendo a "preta de estimação", assim como uma das escravas mais dóceis e confiáveis da sua patroa. Apesar de ser casada com o escravo José, que trabalhava na lavoura, vivia e dormia na casa-grande, sinal de que tinha privilégios concedidos pelos senhores. Na época, os homens eram cerca de 90% dos escravos traficados da África e cerca de 75% dos escravos que trabalhavam nas fazendas de café, portanto um casal de escravos era raro. Manuel Congo foi certamente o principal líder da revolta, e neste momento deve ter se juntado com Marianna Crioula, tanto que os dois foram posteriormente delatados como o "rei" e "rainha" do grupo de sublevados.

Apesar de ter havido mais de 300 fugitivos, apenas dezesseis foram levados a julgamento: Entre eles MARIANNA CRIOULA. Os réus foram conduzidos em ferros para serem julgados em Vassouras, a então vila a que estava subordinada a então freguesia de Paty do Alferes. O povo reuniu-se para assistir à sua chegada. Uma das escravas aprisionadas, talvez MARIANNA CRIOULA, gritou que preferia morrer a voltar ao cativeiro, o que causou tumulto na multidão, que tentou linchá-la. A maior surpresa foi a absolvição de MARIANNA CRIOULA e todas as mulheres, certamente a pedido de sua proprietária Francisca Elisa Xavier. Entretanto, MARIANNA CRIOULA ainda foi obrigada a assistir à execução pública do seu companheiro Manuel Congo.

Destaques

Natal
Réveillon
Ferias de Janeiro 2018
Bistrô Mara Palace